Novos registros geográficos continentais documentados para Santa Catarina, SC ...!

04-10-2011 14:48

Avulsos Malacológicos - AM - Florianópolis, Brazil

NOVOS REGISTROS GEOGRÁFICOS CONTINENTAIS DOCUMENTADOS

PARA SANTA CATARINA, SC

 

GRUPO NO. I

ESTUDOS A PARTIR DE ESPÉCIES OCORRENTES EM SERRAPILHEIRAS 

 

+ DAROLT, S.M. 2009. Diversidade de moluscos terrícolas na estação ecológica Costão da Serra, em Siderópolis, SC. Criciúma, SC: Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC, TCC Bacharel em Ciências Biológicas, 36 p.

Localização de Siderópolis

Município de Siderópolis, SC

Com o objetivo de investigar a diversidade de moluscos terrícolas e arborícolas na Reserva Ecológica Costão da Serra, em Siderópolis, SC, foi realizado um levantamento em duas áreas da Estação Biológica Costão da Serra, tendo sido amostrados nove m² em cada área. Foram coletados 104 espécimes distribuídos em nove famílias, uma de lesma e oito de caracóis, estas com 16 gêneros e 23 espécies. As famílias Systrophidae (N=26; 26,5%), Euconulidae (N=22; 22,4%), Bulimulidae e Charopidae, ambas com 19 espécimes (19,4%); foram as mais abundantes. Dos 98 espécimes de caracóis, 65 (66,32%) pertencem a cinco espécies, sendo Scolodonta sp. 1, com 19 espécimes (19,39%) a mais abundante, seguida de Rhinus cf. cilliatus, com 16 espécimes (16,33%), Euconulus martinezi e Pseudogyppia semenlini, com 11 espécimes cada (11,22%) e Leptinaria cf. anomala, com 8 espécimes (8,16%). Dentre as espécies coletadas cinco ainda não tinham registro de ocorrência para Santa Catarina, o que torna a Estação Biológica Costão da Serra, assim como os remanescentes de Floresta Ombrófila Densa, importantes repositórios da biodiversidade e que precisam ser preservados e estudados.

 

O estudo foi realizado na Estação Ecológica Costão da Serra, localizada no município de Siderópolis, sul de Santa Catarina. Siderópolis apresenta uma área territorial de 263 km² e uma população equivalente a 12.470 habitantes (IBGE, 2007). Integra a Associação dos Municípios da Região Carbonífera (AMREC) e faz divisa com os municípios de Treviso, Nova Veneza, Criciúma, Urussanga, Cocal do Sul e Bom Jardim da Serra.

 

Para muitos dos espécimes coletados e analisados foi possível chegar até o nível de espécie, pois as características observadas na concha se aproximaram acentuadamente das imagens do catalogo produzido por Simone (2006). Para outros a aproximação não era tão acentuada e, nestes casos, optou-se por adotar a identificação do gênero. Em alguns casos, como as lesmas, a falta de imagens para a comparação impossibilitou a classificação em categoria taxonômica inferior a família.

 

Entre as espécies amostradas, cinco ainda não possuíam, segundo a literatura consultada, registro para Santa Catarina. São elas: Rhinus cf. cilliatus e Lilloiconcha superba, Radiodiscus vazi e Scolodonta iheringi, e Zilchogyra zulmae. Portanto, o presente estudo amplia a área de ocorrência destas espécies e a riqueza malacológica para o Estado.

 

Tabela 1: Lista Sistemática organizada de acordo com Simone (2006) ...

Classe Gastropoda

Subclasse Orthogastropoda

Infra-classe Heterobranchia

Super-ordem Euthyneura

Ordem Pulmonata

Subordem Stylommatophora

Infraordem Sigmurethra

Superfamília Bulimuloidea

Família Bulimulidae

Subfamília Bulimulinae

Gênero Rhinus Martens in Albers, 1860

Rhinus cf. cilliatus (Gould, 1846) *

Rhinus sp. 1

Gênero Naesiotus Albers, 1850

Naesiotus eudioptus (Ihering in Pilsbry, 1897)

Família Amphibulimidae

Gênero Eudioptus Albers 1860

Eudioptus sp. 1

Superfamília Rhytidoidea

Família Systrophidae

Gênero Happia Bourgignat, 1889

Happia insularis (Boettger, 1889)

Happia sp. 1

Gênero Prohappia Thiele, 1927

Prohappia besckei (Dunker, 1847)

Gênero Scolodonta Doring, 1875

Scolodonta iheringi (Pilsbry, 1900) *

Scolodonta sp. 1

Gênero Miraciscops Baker, 1925

Miradiscops brasilliensis (Thiele, 1927)

Superfamília Helixarionoidea

Família Euconulidae

Gênero Euconulus Reinhardt, 1883

Euconulus martinezi (Hidalgo, 1869)

Gênero Pseudogyppya Baker, 1925

Pseudogyppya semenlini (Moricard, 1846)

Superfamília Helicinoidea

Família Helicinidae

Subfamilia Helicininae

Gênero Helicina Lamark, 1799

Helicina brasiliensis (Gray, 1824)

Superfamília Punctoidea

Família Charopidae

Subfamília Helicodiscinae

Gênero Zilchogyra Weyrauch, 1965

Zilchogyra zulmae Miguel, Ramiris e Thomé, 2004 *

Gênero Lilloiconcha Weyrauch, 1965

Lilloiconcha gordurasensis (Thiele, 1927)

Lilloiconcha superba (Thiele, 1927) *

Gênero Radiodiscus Pilsbry e Ferris, 1906

Radioconus amoenus (Thiele, 1927) *

Radiodiscus vazi Fonseca e Thomé, 1995 *

Radiodiscus sp. 1

Subfamília Amphidoxinae

Gênero Rotadiscus Pilsbry, 1926

Rotadiscus amacaezensis (Hidalgo, 1869) *

Rotadiscus sp. 1

Superfamília Planorbioidea

Família Planorbidae

Subfamília Planorbinae

Gênero Acrobis Odhner, 1937

Acrobis petricola Odhner, 1937

Superfamília Achatinoidea

Família Subulinidae

Subfamília Subulininae

Gênero Leptinaria Beck, 1837

Leptinaria cf. anomala (Pfeffer, 1846) *

-----------------------------------

* Novo registro de espécie para o Estado de Santa Catarina, SC ...

 

Foram amostrados 104 espécimes de gastrópodes, distribuídos em nove famílias, oito de caracóis e uma de lesmas. A Família Veronicellidae (lesmas) foi amostrada apenas na área 2 e corresponde a sexta família em abundância (N=6; 5,8%).

As oito famílias de caracóis foram Systrophidae, Charopidae, Planorbidae, Subulinidae, Helicinidae, Euconulidae, Bulimulidae e Amphibulimidae, que no total correspondem a 94,2% dos espécimes coletados.

Merece destaque o fato de que cinco espécies não possuem registro para Santa Catarina (Simone, 2006). São elas Rhinus cf. cilliatus e Lilloiconcha superba, descritas para o Rio de Janeiro; Radiodiscus vazi e Scolodonta iheringi, descritas para São Paulo; e Zilchogyra zulmae, descrita para o Rio Grande do Sul. Portanto, o presente trabalho amplia a área de ocorrência destas espécies e aumenta a lista de espécies de gastrópodes terrícolas para o Estado.

 

///   ///   ///

Conforme CORRÉA (2010: 25-26) (sic): “... No estudo realizado por Darolt (2009) na Reserva Ecológica Costão da Serra, em Siderópolis, SC, foram listado oito famílias de caracóis incluindo 16 gêneros e 23 espécies, sendo que da família Systrophidae e Charopidae foram amostrados quatro gêneros, dois gêneros para as famílias Bulimulidae e Euconulidae e um gênero para cada uma das famílias Helicinidae, Amphibulimidae, Planorbidae e Subulinidae. Destas oito famílias, sete apareceram no presente estudo: Systrophidae, Charopidae, Bulimulidae, Euconulidae, Helicinidae, Amphibulimidae e Subulinidae, a única família que não foi amostrada no remanescente floresta da SATC e do Parque José Milanese foi a família Planorbidae.”.

///   ///   ///  

 

+ CORRÊA, N.X. 2010. Comunidade de gastrópodes em áreas verdes urbanas no Município de Criciúma, SC. Criciúma, SC: Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC, TCC Bacharel em Ciências Biológicas, 37 p.

Localização de Criciúma

Município de Criciúma, SC

O presente estudo teve por objetivo investigar a comunidade de moluscos terrícolas em duas áreas, o Parque Ecológico Municipal José Milanese e um remanescente florestal pertencente à Sociedade Assistência aos Trabalhadores do Carvão (SATC), ambos localizados no município de Criciúma, sul do Estado de Santa Catarina. Em cada área foram realizados dois levantamentos entre os meses de maio e agosto de 2010 totalizando 20m² em cada área e 40m² no total. Foram coletados 214 espécimes distribuídos em sete famílias, nove gêneros e treze espécies. A família mais abundante foi Subulinidae (N=179; 83,64%), seguida da família Systrophidae (N=18; 8,41%). A espécie mais abundante em todas as amostragens foi Lamellaxis gracilis (Hutton, 1834), com um total de 163 espécimes coletados, representando 76,2% do total. Dentre as espécies coletadas, sete ainda não tinham registro para Santa Catarina, indicando que as áreas são importantes repositórios da biodiversidade e que precisam ser mais estudados e preservados, assim outros remanescente no sul do estado de Santa Catarina.

O estudo foi realizado no município de Criciúma, sul do Estado de Santa Catarina, de coordenadas geográficas 28º40’S e 49º22’O, com altitude média de 46 metros acima do mar. (CRICIÚMA, 2008). Criciúma apresenta uma área territorial de 236 km² e uma população equivalente a 188.557 habitantes (IBGE 2009). É a principal cidade da região e faz divisa com os municípios de Araranguá, Maracajá, Cocal do Sul, Siderópolis, Forquilhinha, Morro da Fumaça, Nova Veneza e Içara.  

Entre as espécies amostradas, sete ainda não possuem, segundo a literatura consultada, registro para Santa Catarina, sendo elas: Rhinus cf. cilliatus, Radiodiscus vazi, Happia iheringi (?), Lamellaxis (Leptopeas) mizius, Lamellaxis gracilis **, Lamellaxis goodalli e Simpulopsis corrugata

 

Tabela 1: Lista Sistemática organizada de acordo com Simone (2006).

Classe Gastropoda

Subclasse Orthogastropoda

Ordem Neritimorpha

Superfamília Helicinoidea

Família Helicinidae

Subfamília Helicininae

Gênero Helicina Lamark, 1799

Helicina brasiliensis Gray, 1824

Infra-classe Heterobranchia

Super-ordem Euthyneura

Ordem Pulmonata

Subordem Stylommatophora

Infraordem Sigmurethra

Superfamília Bulimuloidea

Família Bulimulidae

Subfamília Bulimulinae

Gênero Rhinus Martens in Albers, 1860

Rhinus cf. cilliatus (Gould, 1846) *

Superfamília Rhytidoidea

Família Systrophidae

Gênero Happia Bourgignat, 1889

Happia insularis (Boettger, 1889)

Happia iheringi (Clessin, 1888) (?)

Gênero Prohappia Thiele, 1927

Prohappia besckei (Dunker, 1847)

Superfamília Helixarionoidea

Família Euconulidae

Gênero Pseudogyppya Baker, 1925

Pseudogyppya semenlini (Moricard, 1846) **

Superfamília Punctoidea

Família Charopidae

Subfamília Helicodiscinae

Gênero Radiodiscus Pilsbry e Ferris, 1906

Radiodiscus vazi Fonseca & Thomé, 1995 *

Superfamília Bulimuloide

Família Amphibulimidae

Subfamília Odontostominae

Gênero Simpulopsis beck, 1837

Simpulopsis corrugata Guppy, 1866 *

Superfamília Achatinoidea

Família Subulinidae

Subfamília Subulininae

 Gênero Lamellaxis Strebel & Pfeiffer, 1882

Lamellaxis gracilis (Hutton, 1834) ** 

Lamellaxis goodalli (Miller, 1822) *

Lamellaxis (Leptopeas) mizius Marcus & Marcus,1968 *

Subfamília Obeliscinae

Gênero Obeliscus Beck, 1837

Obeliscus pattalus Pilsbry 1960 *

Obeliscus sylvaticus (Wagner, 1827) *

 

* Novo registro de espécie para o Estado de Santa Catarina, SC ...

** Errôneamente referida por CORRÉA (2010: 34) como "espécie não registrada/ desconhecida" para o Estado ...

? Espécie reportada para o Estado em AGUDO-PADRÓN (2010: 13) ... 

 

DISCUSSÃO E CONCLUSÕES

 

A somatória dos trabalhos de DAROLT (2009) e CORRÉA (2010) incrementa em mais 13 espécies gastrópodes terrícolas o inventário malacofaunístico continental de Santa Catarina, SC (Agudo-Padrón 2011 a, c), elevando a 198 o seu número geral de formas regionais e a 130 o total de gastrópodes terrícolas assim reconhecidos.

As novas espécies assim incorporadas são as seguintes:

(13 espécies, 10 gêneros, 5 Famílias)

 

Família SUBULINIDAE

Lamellaxis goodalli (Miller, 1822)

Lamellaxis (Leptopeas) mizius Marcus & Marcus, 1968

Leptinaria cf. anomala (Pfeiffer, 1846)

Obeliscus pattalus Pilsbry, 1960

Obeliscus sylvaticus (Wagner, 1827)

 

Família BULIMULIDAE

Rhinus cf. cilliatus (Gould, 1846)

 

Família AMPHIBULIMIDAE

Simpulopsis corrugata Guppy, 1866

 

Família SYSTROPHIDAE

Scolodonta iheringi (Pilsbry, 1900)

 

Família CHAROPIDAE

Lilloiconcha superaba (Thiele, 1927)

Radioconus amoenus (Thiele, 1927)

Radiodiscus vazi Fonseca & Thomé, 1995

Rotadiscus amacaezensis (Hidalgo, 1869)

Zilchogyra zulmae Miguel, Ramírez & Thomé, 2004

 

Pelo demais, as formas Helicina brasiliensis, Happia insularis, Happia iheringi, Prohappia besckei, Pseudoguppya semenlini (Moricand, 1846) e Lamellaxis gracilis **  já se encontravam previamente relacionadas na literatura regional disponível (Agudo-Padrón 2008, 2009; 2010, Agudo-Padrón & Bleicker 2011; Agudo-Padrón a, c).

 

Finalmente em destaque, o gastrópode límnico PLANORBIDAE Acrobis petricola Odhner, 1937 vê assim ampliada a sua restrita distribuição geográfica conhecida no Estado (Agudo-Padrón 2008: 156, 2011 b: 14). 

 

Referências:

 

+ AGUDO-PADRÓN, A.I. 2008. Listagem sistemática dos moluscos continentais ocorrentes no Estado de Santa Catarina, Brasil. Comunicaciones de la Sociedad Malacológica del Uruguay, Montevideo, 9(91): 147-179. Available online at http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/524/52412049003.pdf

 

+ AGUDO-PADRÓN, A.I. 2009. Recent terrestrial and freshwater molluscs of Santa Catarina State, SC, Southern Brazil region: a comprehensive synthesis and check list. VISAYA Net, Cebú - Philippines (April 20, 2009): 1-12. Available online at: http://www.conchology.be/?t=41

 

+ AGUDO-PADRÓN, A.I. 2010. Mollusk fauna of Santa Catarina’s State, SC, Southern Brazil region: 14 years synthesis of knowledge and research. FMCS Newsletter Ellipsaria, 12(1): 10-15. Available online at: http://molluskconservation.org/EVENTS/ELLIPSARIA/Ellipsaria2010_121.pdf

+ AGUDO-PADRÓN, A.I. & BLEICKER, M.S. 2011. Additional New Records on Continental and Marine Molluscs of Santa Catarina State, SC, Southern Brazil Region: Synthesis and Check List. FMCS Newsletter ELLIPSARIA, 13(1): 20-26. Available online at: http://molluskconservation.org/EVENTS/ELLIPSARIA/EllipsariaMarch2011

+ AGUDO-PADRÓN, A.I. 2011 a. Freshwater mollusc additions to inventory of Santa Catarina’s State, SC, Southern Brazil Region, with brief comments about some little-known continental forms. FMCS Newsletter ELLIPSARIA, 13(2): 20-25. Available online at: http://molluskconservation.org/EVENTS/ELLIPSARIA/EllipsariaJune2011

 

+ AGUDO-PADRÓN, A. I. 2011 b. History of South American Continental Malacology: The Malacological Contribution of the German Entomologist Fritz Plaumann (1902 - 1994) in Santa Catarina State, Southern Brazil. FMCS Newsletter ELLIPSARIA, 13(3): 12-17. Available online at:

http://molluskconservation.org/EVENTS/ELLIPSARIA/EllipsariaSept2011.

 

+ AGUDO-PADRÓN, A.I. 2011 c. Evaluative summary of the Santa Catarina's State mollusk fauna, Central Southern Brazil, after 15 years of research. FMCS Newsletter Ellipsaria, Illinois, 13(4): 37-46. Available online at: http://molluskconservation.org/EVENTS/ELLIPSARIA/EllipsariaDec2011.pdf

 


 

 

 

///

///   ///   ///

///

 

GRUPO NO. II

ESTUDOS A PARTIR DE ESPÉCIES STROPHOCHEILOIDEA 

 

BIRCKOLZ, C.J.; GERNET, M. de V. & SERBENA, A.L. 2011. Registro de gastrópodes da superfamília Strophocheiloidea*** em São Bento do Sul, Norte de Santa Catarina. Fortaleza, CE: Resumos XXII Encontro Brasileiro de Malacologia - XXII EBRAM, Setembro 4 a 8 de 2011: 209.

Localização de São Bento do Sul

Município de São Bento do Sul, SC


O município de São Bento do Sul, localizado na região norte de Santa Catarina, se caracteriza por possuir duas formações fitogeográficas em seu território: Floresta Ombrófila Densa (FOD) e Floresta Ombrófila Mista (FOM), ambas relacionadas a diferentes tipos de relevo, serra e planalto respectivamente. O presente trabalho objetiva fazer o registro dos moluscos gastrópodes da superfamília Stophocheiloidea encontrados neste município. Foram analisadas 77 conchas coletadas por moradores de duas localidades diferentes na década de 1960: Rio Antinha, no planalto do município, 12 km a oeste da sede e Sertãozinho, na serra, km 100 da BR-280. Para Rio Antinha há 49 conchas, sendo 48 de Mirinaba erithrosoma (Pilsbry, 1895) e uma de Mirinaba planidens (Michelin, 1831) e para Sertãozinho há 28 conchas, sendo 23 de M. planidens, quatro de M. erithrosoma e uma de Megalobulimus ovatus (Müller, 1774). Também se realizaram expedições aos locais em que foram feitas as coletas no passado, com intuito de encontrar animais vivos. As expedições a campo foram feitas nos meses de janeiro, fevereiro e julho de 2010, com duração de seis horas em cada localidade, usando-se o método de busca ativa na serapilheira. Durante as expedições realizadas, somente em Sertãozinho foram encontradas conchas de Mirinaba jovens, já sem as partes moles, não podendo determinar-se a qual espécie pertenciam. As conchas foram encontradas em janeiro e fevereiro. Todo material analisado encontra-se depositado na coleção malacológica do Laboratório Móvel de Educação Científica da Universidade Federal do Paraná – Setor Litoral. Apenas a localidade de Sertãozinho, que tem sua vegetação original na Serra do Mar bem preservada, apresentou vestígios de animais da superfamília Strophocheiloidea ainda ocupando aquele ambiente. Não foi possível determinar se existe alguma relação de M. erithrosoma á FOM e de M. planidens á FOD, por haver mais conchas de cada espécie relacionada com cada formação vegetacional, pois não existiu critério científico para se fazer as coletas na década de 1960 e segundo os moradores que as fizeram, muito material se perdeu.

 

*** Baseado em AGUDO-PADRÓN (2008: 162), pode-se afirmar que a relação da espécie Mirinaba erithrosoma (Pilsbry, 1895) nesta contribuição constitui a 1ª localidade geográfica devidamente especificada para o Estado.    

 

Referências:

 

+ AGUDO-PADRÓN, A.I. 2008. Listagem sistemática dos moluscos continentais ocorrentes no Estado de Santa Catarina, Brasil. Comunicaciones de la Sociedad Malacológica del Uruguay, Montevideo, 9(91): 147-179. Available online at http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/pdf/524/52412049003.pdf